A saída de Forlán

O Inter anunciou oficialmente nesta quarta-feira a rescisão do contrato com o uruguaio Diego Forlán, que acertou com o Cerezo Osaka, do Japão.

Obviamente, a passagem do atacante pelo Colorado ficou bastante abaixo daquilo que se esperava quando ocorreu a contratação.

Por outro lado, não me filio à opinião de que sua passagem pelo Inter foi o desastre que muitos tentam apregoar.

Forlán foi, na maior parte do tempo, um atacante mediano, com lampejos de bom futebol e gols.

O que pegou foi o custo-benefício, já que seu salário no clube era altíssimo, e o retorno dentro de campo, insuficiente diante de tais parâmetros.

Também colaborou para tal desvantagem de custo-benefício a inacreditável inaptidão do marketing colorado para explorar a imagem de Forlán, trazendo receitas capazes de ao menos amortizar o prejuízo.

O Internacional teve em seu grupo de jogadores, durante um ano e meio, o craque da última Copa do Mundo, um jogador que ficara acima de nomes como Messi, Cristiano Ronaldo, Ribéry, Iniesta e Xavi.

E, tendo este jogador, não conseguiu promover uma única iniciativa digna de nota com a imagem deste atleta.

Com o leite derramado, não  há mais o que chorar.

Sobraram apenas as projeções, e estas são preocupantes.

Do ponto de vista de gestão de futebol, a demissão do executivo Chumbinho, substituído por Jorge Macedo, é um sopro de esperança para dias de maior competência no departamento.

Entretanto, do ponto de vista prático, de dentro das quatro linhas, a situação ainda é de franzir a testa.

Sem Scocco, Damião e Forlán, as opções ofensivas, que já eram questionáveis, hoje são simplesmente risíveis.

O elenco, que já era limitado em 2013, hoje está piorado, agregando alguns valores com potencial, mas baseando-se excessivamente em apostas.

A realidade é dura, o Inter não é candidato a nada que não seja Gauchão, e terá que se cuidar bastante para não correr riscos no Brasileirão.

Abel Braga terá que se desdobrar, sob pena de se tornar mais um ídolo chamuscado na horrorosa gestão futebolística de Luigi, Medeiros e cia.

A única expectativa positiva para o ano, por enquanto é o Beira-Rio, que fica mais lindo a cada dia.

E isso é pouco, muito pouco, para um clube da grandeza do Internacional.

Forlán marcou 22 gols em 55 jogos com a camisa colorada. Foto: site oficial do Sport Club Internacional.

Forlán marcou 22 gols em 55 jogos com a camisa colorada. Foto: site oficial do Sport Club Internacional.

3 Comentários

  1. Avatar Marcos 23 de janeiro de 2014 Reply
  2. Avatar Rivelino Meireles 23 de janeiro de 2014 Reply
  3. Avatar Vinicius Santos 23 de janeiro de 2014 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *