Um time sem alma

Faltam nomes, sim.

Falta um zagueiro.

Falta um meia.

Falta o treinador escolher mais racionalmente aqueles que entram em campo.

Faltam dirigentes capazes de pensar o futebol colorado com um mínimo de competência e planejamento.

Tudo isso falta.

Mas, acima de tudo, falta alma. Falta vergonha na cara.

Eu geralmente sou refratário a teorias de que falta garra, luta, determinação, porque geralmente são muito simplistas e levam a ideias toscas e hemocentradas de que tudo que se precisa é de um treinador “sanguíneo”, de que o vestiário “precisa de um choque”, enfim, coisas que bem recentemente afundaram o clube para a situação na qual está hoje.

Porém, começo a acreditar que aqueles que dizem que esse time não tem espírito de Série B estão certos.

E pior: é um time sem espírito de Série B e sem qualidade de Série A.

O Inter não consegue jogar na sua casa. Qualquer adversário minimamente organizado torna a vida do time colorado duríssima.

É um time, salvo raras exceções, de molengas, indolentes, que jogam por jogar.

Esse Inter joga no Beira-Rio sem agressividade, como se estivesse num bate-bola descompromissado de fim de tarde na areia da praia.

É triste ver esse time “atuando”.

É deprimente.

Fato é que o estoque de paciência acabou.

Parece que o rebaixamento não foi o fundo do poço, não foi fiasco suficiente.

O Colorado busca convictamente um vexame ainda maior: não ficar entre os QUATRO primeiros da Série B e, assim, não voltar para a Série A.

No ritmo em que está, vai conseguir…

1 Comentário

  1. Alipio Becker 3 de julho de 2017 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *